quinta-feira, novembro 17, 2005

O velho Noel está velho - Por Igor Capelatto

Tudo está insólito. Irreal. Parece que nada é verdade. Tudo fantasia. Não há realidade. Pisamos num breu de infinito. Nossos relógios não marcam mais o tempo concreto. Estamos em um ponto e num piscar de olhos, já estamos em outro, às vezes, milhas de distância. Não há mais um ponto que se liga a outro formando uma reta. Nada mais é linear.
Tudo voa. Livremente. Voa como deveria voar o trenó do senhor Nicolau junto com suas renas. Mas não. O velhinho também está fora de foco. Seu relógio também não serve para mais nada. Nem é dia 25 ainda e ele já está em alguns shoppings. Alguns estão sentados distribuindo balinhas. Outros estão fazendo compras. E eu que cresci achando que este bom velhinho juntava seus duendes ou elfos para eles mesmos fazerem os brinquedos. Balinha de morango ou hortelã não tem nada de parecido com brinquedo.
Não há mais uma realidade concisa. Se existem infinitas realidades como alguns estudiosos dizem, em alguma as coisas ainda devem acontecer como deveriam. Ou não. Porque está tudo bagunçado.
- Manhê?? O Papai Noel não vem só no Natal?
- Vem sim, filhinho.
- Mas ele já está aqui no shopping!
- São tantos lugares para ele ir, tantas criancinhas que para dar tempo, ele veio antes.
- E ele se multiplica?
- Não. Ele é um só.
- Mentirosa.
- Não me chame de mentirosa, senão vai ficar de castigo.
- Então me explica como pode ter um Papai Noel ali na poltrona e outro naquela loja ali?
Outra vez. Mal deu tempo de subir e tirar a estrela dourada de cima da árvore e quando ainda estou descendo o último degrau da velha escada, já tenho que subi-la novamente, pois já é hora de colocá-la de novo. Não deu tempo nem de pisar no chão. Estamos ficando velhos cada vez mais depressa.
- Ô paiê! O Papai Noel não envelhece?
- Ele já é velhinho, filho.
- É, mas a vovó era velhinha e ficou mais ainda e foi enrugando até morrer.
- Bem, o Papai Noel deve ser mágico. É isso. Ele é mágico. No Pólo Norte ninguém envelhece. Ninguém morre.
- Então vamos para lá.
- Mas nós não temos roupas adequadas para ir para lá.
- E aquela roupa vermelha que você usa no dia do Natal para fingir ser o Papai Noel?
O velho Noel está velho. Ultrapassado. Ninguém mais acredita nele. Ele é mentiroso. Promete brinquedos e não os dá, não responde às cartas e fica "se achando", com aquela risadinha maliciosa. O Natal já foi bom, eu já acreditei no velhinho. Ele não mentia. Quando ele não podia dar algo, ele avisava de antemão.
- O seu Noel? Eu queria um UltraMega Super PlayStation 5.0 turbo com os jogos avançados versão 30 do Final Fantasy 5000.
- Como você se chama?
- Pedro.
- Bom, Pedrinho, seu pedido foi anotado na minha super-big-extra-enorme-cumprida lista.
- Obrigadão.
- Toma uma balinha e bom Natal.
(...)
- Mas que velho mentiroso.
- Não fala assim do Papai Noel, Pedrinho, meu filho.
- Não é? Como poderei ganhar um UltraMega Super PlayStation 5.0 turbo com os jogos avançados versão 30 do Final Fantasy 5000 se nem existe um? Eu acabei de inventar isto.

Um comentário:

Paradoxo disse...

É ótimo! rs