quarta-feira, julho 19, 2006

Waking Life

Em nossa visão de mundo contemporânea é fácil pensar que a ciência ocupou o lugar de Deus. Mas alguns problemas filosóficos ainda perturbam. Por exemplo, o livre-arbítrio. O problema existe desde Aristóteles, em 350 a.C. Sto. Agostinho e S.Tomás de Aquino também refletiram sobre como ter livre-arbítrio, se Deus sabe o que faremos. Sabemos hoje que o mundo obedece a leis físicas básicas que governam o comportamento de todo objeto no mundo. Como são fidedignas, permitem incríveis avanços tecnológicos.Mas somos um sistema físico.Um arranjo complexo de carbono e, principalmente água. Nosso comportamento não é exceção às leis físicas.Seja Deus organizando previamente e sabendo tudo ou as leis físicas no controle , não há lugar pra liberdade. Talvez queira ignorar a questão, o mistério do livre-arbítrio.Dizer: "é só um caso histórico. É frívolo. Uma pergunta sem resposta. Esqueça".Mas a pergunta não desaparecerá.Se pensar em individualidade quem você é se baseia nas escolhas que faz.Ou veja a responsabilidade.Só será responsável , declarado culpado, admirado, respeitado pelo que fez,ou seu livre-arbítrio fez.Portanto a questão volta, e não temos solução. Nossas decisões são um enigma. Veja como acontecem.Atividade elétrica no cérebro.Os neurônios enviam sinais ao sistema nervoso, que passa as fibras musculares.Elas se contraem.Você estica o braço.Parece uma ação livre sua, mas cada parte do processo é governada por leis físicas , químicas etc. Parece que o big bang definiu as condições iniciais e o resto da historia humana , é a reação de partículas subatômicas de acordo com as leis da Física. Pensamos que somos especiais que temos dignidade.Mas isso é ameaçado , desafiado por esta imagem. Diria: "E quanto a mecânica quântica? Sei muita teoria para saber que não é assim. É uma teoria de probabilidade. É inexata. Não deterministica. Isso nos permite entender o livre-arbítrio". Mas olhando os detalhes não serve , porque o que se tem são partículas quânticas de comportamento randômico. Elas se desviam. Seu comportamento é absurdo, imprevisível.Não podemos entende-los com base no que já aconteceu.Faz algo de repente ,age na estrutura de probabilidade.Isso ajuda? Nossa liberdade é questão de probabilidade? Um desvio aleatória num sistema caótico? Parece pior. Prefiro ser uma engrenagem numa maquina deterministica física do que desvio aleatório.Não podemos ignorar o problema.Devemos achar, em nossa visão de mundo, o espaço das pessoas.Não corpos mas pessoas.Devemos resolver o problema da liberdade, achar espaço para opção e responsabilidade e entender a individualidade.

2 comentários:

Felipe Becker disse...

A liberdade começa quando se tem noção da instituição penal que é este planeta, meu companheiro de infortúnio.

abraços

danielle disse...

ok...convencida!